Mais igrejas cristãs são atacadas no Chile

Na cidade chilena de Araucanía, outras igrejas foram queimadas por mapuches, também conhecidos como "araucanos", um povo indígena que vive na região Centro-Sul do país. No mês de abril, eles destruíram várias igrejas e um dos líderes declarou: "Não vamos descansar até que tenhamos expulsado todos os cristãos do território dos mapuches". A nação já vem apresentando, há algum tempo, casos de perseguição religiosa, mas não faz parte da Classificação. Até o presente momento, o número total de igrejas destruídas chega a 18.

Na ocasião dos primeiros ataques às igrejas, a liderança do governo não se manifestou. Um dos colaboradores da Portas Abertas, que atua no país, disse: "Até agora não há muitas explicações sobre a destruição das igrejas, mas é um fato estranho, já que a maioria dos mapuches (87%) se declara cristã. Além disso, o país é o único da América Latina que ainda possui um Partido Democrático Cristão".

Os atuais ataques incendiários, na aldeia de Collipulli, foram atribuídos a um grupo chamado Weichan Auka Mapu, que promove o fundamentalismo étnico no Chile. Eles agem violentamente a fim de recuperar o controle sobre um território que, para eles, pertence a seus ancestrais. A limpeza étnica é uma visão bem radical dentro do "mundo mapuche". Há uma grande necessidade de que o governo interfira nesses acontecimentos para a defesa da liberdade religiosa no país, caso contrário, esse tipo de conflito pode se espalhar também em outras regiões. Ore por essa nação.

PORTAS ABERTAS 
Share on Google Plus

RN NEWS - O RIO GRANDE DO NORTE EM FOCO